Necropsya: "temos uma multiculturalidade muito maior do que os gringos"

O NECROPSYA concedeu uma entrevista exclusiva para o site da Metal Media. Na entrevista o trio paranaense fala de seus mais recentes lançamentos, de shows, seu futuro e de como consegue englobar tantas características em seu som e mesmo assim fazer um trabalho homogêneo e único.

Confira um trecho:

- Já temos um tempo desde o lançamento do 'Distorted' o que a banda pôde colher deste trabalho? Daria para fazer um paralelo com o lançamento anterior 'Roars'?

Henrique Bertol: Tudo melhorou do "Roars" para o "Distorted": a divulgação, a repercussão, e a produção do álbum em si - tanto na parte técnica quanto artística. Essa evolução para nós é vital, pois estamos sempre atrás de crescimento passo a passo, encaramos isso como um desafio.

Henrique Vivi: Com o "Distorted" pudemos, primeiro de tudo, fazer a turnê na Argentina, além de render a abertura pro Overkill, e as resenhas positivas que também nos renderam entrevistas, a participação no projeto Curitiba Metal Sound, participação na TV, etc. De qualquer maneira, nosso trabalho em divulgação independente, apresentações ao vivo e empenho com o nosso "faça você mesmo" não mudou.

- O primeiro impacto causado por 'Distorted' é a capa e encarte. Como vocês chegaram nesta ideia? Qual a necessidade de sair dos clichés do estilo?

Henrique Vivi: Sempre tivemos a consciência que as músicas do Distorted saiam um pouco da 'zona de conforto' dentro do thrash metal. O conteúdo lírico é um pouco assim também, e queríamos uma arte que complementasse este trabalho. Além de tudo, queríamos um contraste com a arte que fizemos no Roars - menos imagens intimidantes, sem tons escuros, etc.

Henrique Bertol: Bolamos esse conceito básico e passamos um esboço de capa para o Allan Deangeles, a partir daí ele desenvolveu tudo de forma magistral. O conceito cresceu muito na mão dele.

- As músicas da banda, especialmente do 'Distorted' para frente, tem algo especial, algo que foge um pouco do "comum' dentro de Thrash Metal, mas ao mesmo tempo elas soam naturais e extremamente pesadas. Como é na hora de compor? Este "quê" a mais é premeditado?

Henrique Vivi: Com certeza, o "que" a mais é o que define a identidade de uma banda, e o que ela sempre carregará quando alguém lembrar do nome. Normalmente compomos sozinhos um esqueleto, uma estrutura musical, que começamos a moldá-la apenas em ensaios. E claro, tocando ela ao vivo, conseguimos ter a resposta do público para saber se estamos em um bom caminho.

Celso Costa: Tentamos dar unidade à ideia original da música, aplicando nossas influências individuais de forma coesa. Nesta hora o respeito e confiança em seu parceiro de banda é fundamental.

A entrevista completa, pode ser conferida pelo link:
http://metalmedia.com.br/newspress_br/?p=11729

Contato para shows e merchandise: info@necropsya.net

Sites Relacionados:
www.necropsya.net
www.myspace.com/necropsya
www.metalmedia.com.br/necropsya
www.facebook.com/heartheroars

Fonte: Metal Media

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Apoie o Underground ! Comente o que você achou da Matéria: